Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

VIDA EUCARÍSTICA: CRISTO VIVE (Jo 6,51-58)

Os evangelhos nos narram encontros de Jesus com diversas pessoas que foram transformadas pela sua presença, pelas suas palavras, pelos seus sinais.  Estes encontros pessoais prosseguem hoje no meio de nós, com cada vinda do Senhor aos nossos altares. Quando Jesus diz a Marta: “Uma só coisa é necessária” (Lc 10, 42), diz-nos o mesmo do fundo do Sacrário: “Só Deus basta”. Quando Pedro lhe observa no Tabor: “Como é bom estarmos aqui!” (cfr. Mt 17, 4; Mc 9, 5; Lc 9, 33), exprime um sentimento que bem pode ser o nosso diante da sua presença na Eucaristia, não menos real que na Transfiguração.

No convívio com as pessoas temos que saber dizer-lhes, de maneira apropriada a cada caso: “O Senhor está aí e te chama” (Jo 11, 28). E ao observar as realidades que nos cercam e as pessoas que tem fome de paz, de justiça, de felicidade, é como se elas nos dissessem, como os gregos que se aproximaram de Filipe: “Queremos ver Jesus” (Jo 12, 21). E somos nós que teremos que conduzi-los até onde Ele está: até o sacramento da Eucaristia.

1. RECONHECENDO O SENHOR: O “rosto humano de Deus” que aparece em todas as páginas do Evangelho é o mesmo que, com “cara de pão”, derrama bondade na Missa e a irradia de cada Sacrário. Se durante a sua existência passou fazendo o bem (At 10, 38), também agora, como há dois mil anos, nos mostra o seu coração acolhedor, discreto, delicado. E, mais em silêncio e escondido, anima-nos a procurá-lo com a humilde confiança daquele leproso que lhe pedia: Senhor, se quiseres, podes limpar-me (Mt 8, 2). Ou a repetir-lhe com os meninos hebreus: Bendito o que vem em nome do Senhor! (Mt 21, 9). Ou a dizer-lhe com a fé do cego Bartimeu: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim! (Mc 10, 47), e Senhor, faz com que eu veja! (Mc 10, 51).


Acontece também de nos sentirmos secos e de alma muda, e sem saber o que dizer-lhe, nem o que agradecer-lhe, pedimos-lhe como o outro discípulo: “Senhor, ensina-nos a orar” (Lc, 8, 44). Ou imploramos como os Apóstolos: “Aumenta-nos a fé!” (Lc 17, 45). Ou manifestamos singelamente, com a confiança robustecida daquele pai que suplica a cura do seu filho: “Creio, Senhor, mas vem em ajuda da minha incredulidade.” (Mc 9, 24). Ou rogamos como Marta e Maria: “Senhor, aquele que amas está doente.” (Jo 11, 3). Ou confessamos com o coração apertado como Pedro às margens do lago de Tiberíades, recordando-se da sua tríplice negação: “Senhor, tu sabes tudo. Tu sabes que eu te amo!” (Jo 21, 17).

2. PROSTRADOS AOS SEUS PÉS: Como agradará ao Senhor, sempre que estejamos diante do Santíssimo Sacramento ou depois de comungarmos na Missa, que – com a humildade, confiança, fé, e simplicidade de novos leprosos, cegos ou doentes que somos – lhe falemos como fizeram os personagens do Evangelho! Ele é o mesmo daquele tempo... e nós tão necessitados ou mais que eles! “A presença de Jesus vivo na Hóstia santa é a garantia, a raiz e a consumação da sua presença no mundo”.

Se hoje nós temos a graça de poder sentir esta presença, por que haveríamos de perder cada oportunidade que nos é oferecida de poder recebê-lo? Ele está ali e nos chama continuamente a tomar o seu corpo, a beber do seu sangue.... Por que não valorizamos mais a sua presença no sacrário, e necessitados que somos,  não nos prostramos em atitude amorosa de adoração e de louvor diante deste Deus maravilhoso?

Jesus ao longo de três anos, com a Palavra e com seus exemplos preparou os discípulos para que entendessem essa sua forma eterna de permanecer com eles. Hoje a igreja oferece muitos meios de preparação para sermos menos indignos de receber o Senhor. Temos os sacramentos, a catequese para todas as idades, as células paroquiais de evangelização, a liturgia da Palavra em cada missa, a confissão, momentos intensos de adoração comunitária e pessoal e o testemunho de vida de cada cristão. Que o pão da vida, a comunhão, nos unam a Cristo e aos irmãos e pela Sua presença em nós, nos tornemos cada dia mais semelhantes àquele que recebemos.

PARA REFLETIR:

1-Você tem se preparado para acolher o Senhor em sua “casa”?

2- Ao receber a Eucaristia você tem a consciência que com Jesus recebe também a sua vida, a sua missão, o seu serviço? O que isso diz para sua vida?

Voltar