Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

      
ADVENTO - VENHA A NÓS O VOSSO REINO! - Ione Buyst

A
dvento e Natal são tempos preciosos na vivência de nossa fé. Em meio a tantas dificuldades em se criar uma sociedade fraterna, a humanidade confia na promessa do Senhor e continua aguardando, desejando e preparando a vinda do Reino de Deus. Desde que passamos a reconhecer em Jesus o "Emanuel", o "Deus conosco" que se fez um de nós, a humanidade está como que grávida da vida de Deus. Cada celebração ajuda-nos a procurar, reconhecer e viver em profundidade a comunhão divina que se esconde nos mil meandros dos relacionamentos e realizações.

A história, uma longa caminhada. Nós, cristãos, consideramos a vida e a história como uma grande caminhada, que só terminará quando nos encontrarmos todos na casa do Pai, na Cidade de Deus, na “nova Jerusalém”, no Reino definitivo, como Deus prometeu. Por isso, é perigoso representar o ano litúrgico dentro de um círculo; daria a impressão de que estamos presos no tempo: todo ano, tudo começaria de novo da estaca zero e jamais poderíamos esperar grandes mudanças. Muita gente reforça este pensamento dizendo: “Sempre foi assim! Sempre será assim! Pobre sempre será pobre!” Mas, tanto a ressurreição de Jesus como o seu nascimento nos ensinam exatamente o contrário: a força e a presença de Deus no meio da humanidade nos dão possibilidade de mudar a história, de lutar para melhorar a situação, para transformá-la em história de salvação, de vida para todos... Nenhum poder deste mundo, nenhum governo, nenhum grupo poderoso é eterno, por mais que se apresente assim: todos poderão ser desbancados pelo poder do Reino de Deus que está crescendo no meio de nós.

O Advento de um mundo renovado
O Advento do Reino de Deus traz em si uma proposta radicalmente nova de relacionamento entre as pessoas e os grupos humanos; traz em si uma crítica a muitos projetos e maneiras de se organizar a sociedade e a vida individual de cada um. Vivemos numa sociedade que só visa o lucro, o poder, a dominação de alguns poucos sobre todos os outros. A pessoa humana é reduzida a mercadoria. A injustiça se petrificou nas estruturas sócio-econômicas que a cada dia matam milhares de seres humanos. Uns têm tudo, outros não têm nem terra, nem trabalho, nem salário digno, nem casa, nem comida... Viver o Advento significa, portanto, rever os nossos projetos, avaliá-los à luz da mensagem do Advento do Senhor, rever o rumo que estamos tomando em nossa vida individual, social e comunitária. O Senhor vem para assumir o governo do mundo e de nossas vidas. Vem realizando a salvação, a cada dia, a cada momento da história, até que um dia o Reino esteja plenamente estabelecido. O Senhor vem: cada celebração litúrgica é uma “visita” do Senhor, dia de sua vinda, principalmente quando celebramos a Eucaristia, a ceia do Senhor, proclamando sua vitória sobre todas as mortes, “até que Ele venha”. O tempo litúrgico do Advento faz-nos viver profundamente este aspecto da presença-ausência do Reino. Reaviva em nós a esperança de um futuro melhor dentro de um mundo que parece estar se suicidando. Reanima a nossa coragem: os nossos esforços por uma vida digna, por uma sociedade fraterna, não serão em vão. Reaviva o nosso amor. Alguém espera por nós no ponto de chegada e já se faz presente como companheiro de caminhada: o Senhor Jesus.

“Vem, Senhor Jesus!”
É por isso que a prece mais característica do tempo do Advento é: “Vem, Senhor Jesus!”, prece bem antiga. (...) Diz Humberto Porto: “Através dela queriam os primitivos cristãos proclamar a certeza nova de que só pela mediação do ‘Kyrios’ (Senhor) glorioso é que temos realmente acesso ao Pai; (...) expressa a fé e a esperança da reunião de todos os homens [e mulheres] na unidade, com a transformação do ser humano e do cosmos sob o juízo definitivo de Deus. Ela envolve a súplica da manifestação universal da glória divina na realização escatológica da salvação”.

Leiam mais: Ione Buyst, Preparando Advento e Natal, São Paulo, Paulinas, 2002 (Col. Celebrar). In LITURGIA EM MUTIRÃO –Subsídios para a formação – CNBB – pág. 53