Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

ELE NÃO ESTÁ AQUI! RESSUSCITOU (Mt, 28, 8-15)

INTRODUÇÃO: Cristo venceu a morte, Aleluia! Ressuscitou, Aleluia!
Caríssimos irmãos, temos hoje a mais importante notícia da nossa fé a ser divulgada a todos: aquele que foi anunciado pelos profetas, aquele em quem acreditamos, que soubemos de seus milagres, das suas palavras, dos seus ensinamentos, Aquele que nos havia sido tirado pela morte na cruz, Deus o ressuscitou, confirmando todo o seu projeto de vida que tentaram sepultar. Se os noticiários da TV tantas vezes nos sufocam com notícias dramáticas, tristes e sensacionalistas, agora chegou para nós um anúncio que, de fato, vale a pena ser proclamado insistentemente, até que o mundo creia e seja transformado pela sua luz.

 1. UMA BUSCA E UMA RESPOSTA: O Evangelho nos relata que ainda de madrugada as mulheres foram ao túmulo. O que procuravam elas? Havia um sentimento de frustração. O vazio deixado pela morte de Jesus era incompatível com as promessas que Ele havia feito, com a ressurreição que havia anunciado.  No entanto, a fé falava mais alto que os fatos. Não seria possível que tudo tivesse acabado assim... Buscavam um sinal, uma resposta. Seu coração dizia que ainda havia algo a ser descoberto atrás da pedra do túmulo. Atrás dos túmulos que existem perto de nós também há uma resposta escondida que precisamos ajudar a revelar. E o anjo lhes apresenta a resposta: O Senhor havia ressuscitado – que fossem depressa contar aos discípulos que eles O encontrariam na Galiléia.

 2. O MEDO: O sentimento de medo toma conta tanto dos guardas quanto das mulheres. Deles porque não haviam acreditado, mas a realidade apontava para o engano que poderiam ter cometido não crendo naquele que se dizia o Filho de Deus.
O medo delas porque, apesar da fé, os acontecimentos contrariavam aquilo que fazia parte das realidades humanas. Era Deus agindo conforme a sua potência de amor, era o invencível – a morte sendo superada pela vida.
Mas a notícia era grande demais para que elas a retivessem apenas para si, e eles, que haviam experimentado a vida com Jesus, também precisavam experimentar e crer na sua ressurreição. Era preciso espalhar a boa notícia, pois o anúncio não pode ficar perdido no tempo da escuridão, ninguém pode ficar privado dessa luz transformadora.
A ressurreição de Jesus valida todo o projeto que Ele anunciara e que as autoridades e o povo quiseram fazer sucumbir. Mas mesmo diante das evidências, o mal ainda tenta seu domínio novamente, quando os anciãos corrompem os soldados, oferecendo-lhes grande soma de dinheiro, para que dessem voz à mentira, assumindo que o corpo de Jesus havia sido roubado do túmulo. O inimigo não pára de tentar impedir que a verdade da ressurreição se espalhe no mundo. Como tantos optaram por Barrabás no momento da escolha, muitos ainda fazem a sua opção por não enxergar a verdade em suas vidas e, o pior, espalhar a mentira na vida dos outros.
Esta é uma missão importante que as nossas células enfrentam nos dias de hoje: anunciar a ressurreição de Jesus em meio a uma sociedade que não cessa de evidenciar sinais de morte em suas estruturas, quer seja na família, nos governos, nas relações humanas, nas suas condutas, na sua moral, nas suas escolhas...

 3. AS MULHERES FORAM CORRENDO: era preciso que os pés pisassem ligeiros no chão da vida para que a notícia chegasse onde deveria chegar. Logo adiante, Mateus nos dirá que o Evangelho deveria chegar a todas as nações (Mt, 28,19), mas para chegar a elas era preciso que chegasse de um em um, e que cada um o levasse aos outros. Este era o movimento: experimentar a presença do ressuscitado, deixar-se transformar consolidando o seu projeto na própria vida, vencer o medo, correr, contar, testemunhar, anunciá-lo aos demais.
Nós também precisamos ter a prontidão do anúncio que brota entusiasmado do coração que crê.
O nosso testemunho tem que ser verdadeiro, autêntico, fruto desta nossa experiência pessoal com o ressuscitado presente em nós através da Eucaristia, da Palavra, da comunidade reunida.
Esta narrativa é na verdade um caminho pedagógico para todo cristão: buscar o Senhor ressuscitado e apressar-se em anunciá-lo aos irmãos para que todos desfrutem dessa luz que dá sentido pleno à nossa vida.

PARA REFLETIR:

1-Você tem para si a ressurreição de Jesus como a verdade fundamental da sua fé? O que isso produz na sua vida?
2-De que forma o anúncio das nossas células tem que ser apressado para que outros creiam na experiência do Ressuscitado?

 

Voltar