Estudo Semanal
Home - Vida Cristã - Consciência Cristã

RECONHECER O CRISTO(Lc 9,18-24)

Queridos irmãos e irmãs,

Com muita insistência, nós, cristãos, somos chamados à oração, e poderíamos nos perguntar: “Mas por que rezar?” Uma resposta única deveria nos bastar: “Porque Jesus, a quem chamamos de Mestre, era um homem de oração.” Mas também,  como Lucas propõe neste evangelho, para podermos responder quem é Cristo para mim. Somente uma experiência profunda de oração e escuta de Deus poderá ir revelando ao nosso coração quem de fato é Jesus, despido do nosso viés pessoal e das nossas conveniências.

A Palavra de Deus, lida e orada, irá nos respondendo e nos ajudando a descobrir em Jesus o "Messias" de Deus, que realiza a libertação dos homens através do amor e do dom da vida, e que convida cada "cristão" a fazer da própria vida um dom generoso aos irmãos.

A profissão de fé de Pedro no Messias

No final de sua atividade na Galiléia, Jesus, depois de ter ORADO, provoca os Apóstolos a dizer o que pensam dele, de sua identidade e Missão: "Quem sou eu no dizer do POVO?"

Estranha curiosidade: Cristo interessado em saber o que os outros pensam dele. Até parece um levantamento de IBOPE para verificar sua popularidade. Responderam-lhe: "João Batista... Elias... ou um dos antigos profetas..." Reconhecem em Jesus um grande Mestre, um grande operador de milagres, mas um HOMEM apenas.

Os DISCÍPULOS deviam ter uma ideia mais amadurecida, pois foram testemunhas de seus milagres e destinatários privilegiados de sua doutrina. Por isso, acrescenta: "Mas PARA VÓS, tornou Jesus, QUEM SOU EU?”  Pedro, em nome de todos, responde: "Tu és o CRISTO de Deus". A resposta era exata, eco da profecia de Isaías. Pedro reconhece o Messias.  Mas que Messias? Como esperavam todos os judeus e os demais apóstolos: um "messias" político, poderoso e vitorioso? Por isso sua resposta ainda não era tudo...

Jesus apresenta o Caminho de Jesus

Jesus aponta para a sua paixão. Apresenta-se como o "Servo Sofredor", desprezado e rejeitado pelos homens, na expressão usada pelo profeta. Para os discípulos, que esperavam um Messias-Rei, tal afirmação deve ter sido dura e decepcionante...

Mas Jesus não volta atrás, pelo contrário, reafirma que o Caminho do Discípulo é o mesmo: "Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz de cada dia, e siga-me".

Ele irá à frente para dar o exemplo: Será o primeiro a levar a cruz. Quem quiser ser seu discípulo, há de imitá-lo. E conclui: "Aquele que quiser salvar a sua vida, vai perdê-la; mas quem a perder, por minha causa, esse se salvará".

Isso implica três coisas:
- "Renuncie a si mesmo..."
    Libertar-se de toda ambição pessoal. Libertar-se de todas as seguranças em que se apoia o próprio eu, para estar disponível a seguir a Jesus.

- "Tome sua cruz cada dia"
    Libertar-se continuamente do apego à vida e estar pronto a morrer nos compromissos diários do cristão. A Cruz é Sinal do cristão. Está presente em toda parte, com muitos nomes.

- "E Siga-me..."
    Só quem se libertou do eu e do apego à vida, pode seguir Jesus até o fim, abandonando-se a Deus em favor dos homens. Seguir Jesus não é apenas reconhecê-lo como Messias, acreditar apenas num pacote de verdades aprendidas na catequese. É segui-lo no caminho do amor, da verdade e da justiça. Ainda Hoje, muitos o reconhecem como um grande Mestre que pregou o amor, a fraternidade, a paz, a justiça. Muitos o admiram pela atenção dada aos pobres e excluídos; o apreciam pela sua coragem, pela sua coerência,  pela sua nobreza de espírito, pela sua fortaleza diante da morte. Mas na hora se segui-lo, pouco ou nada fazem, porque esta verdade ainda não transformou suas vidas...

Quem é Jesus para nós?

A pergunta de Jesus é ainda atual. Não é apenas uma sondagem de opinião. Não é suficiente saber o que os outros dizem. É fundamental o que diz a nossa experiência de fé, de esperança e de amor.

PARA REFLETIR:

1-Cristo é alguém que está no centro de nossa existência, cuja vida circula em nós e nos transforma, com quem dialogamos, com quem nos identificamos e a quem amamos?
2-Estamos dispostos a segui-lo, também na cruz?
3-Reconhecemos Cristo no irmão necessitado e sofredor?