Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

Pactos da Célula – A Oração (II Tessalonicenses 1,11-12)

A oração é um ato de fé. O desejo de orar demonstra uma aceitação de Deus Todo-Poderoso, do seu poder, de que sabemos que a oração nos leva a um relacionamento mais forte com Ele. A fé requer obediência e Jesus exige claramente que nós oremos por nós mesmos e pelos outros. Ele nos diz para orar por aqueles que nos perseguem (Mateus 5,44). Ele insiste conosco para que oremos pedindo trabalhadores para as colheitas (Mateus 9,38). Ele nos ensina a orar pelos amigos que enfrentam a tentação (Lucas 22,32), bem como por nós mesmos para que não entremos em tentação (Lucas 22,40).

Através de Paulo, ele nos exorta a fazer "súplicas, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todas as pessoas, pelos reis e pelas autoridades em geral..." (1 Timóteo 2,1-2). Em vista destas instruções, a oração é um dever, um mandamento a ser obedecido. Isto, por si só, é bastante motivação para aquele que tem fé para obedecer.
Jesus um homem de oração:

Conforme amadurecemos na fé, nossa atitude muda e se desenvolve. Tornamo-nos mais o que deveríamos ser: um reflexo de Jesus. Lembremo-nos de quantas vezes se fala do próprio Jesus em oração. Se a oração não faz diferença, por que Jesus orava, às vezes, a noite toda, e no Getsêmani a ponto de verter sangue como suor? Não estava Ele ciente dos planos e propósitos de Seu Pai? A oração de Jesus mostra que orar é mais do que pedir algo — é estar em constante comunhão com Deus. Ela também mostra que somente pela dependência de Deus podemos receber força e poder para cumprir nossa missão e propósito nesta vida. As orações no Getsêmani e na cruz são exemplos fundamentais.

Orando uns pelos outros:
O amor é a nossa motivação para orar por outros, porque ele nos dá forças para amar nosso próximo como a nós mesmos; a amar os irmãos no Senhor colocando seus interesses acima dos nossos; a amar e ser cuidadoso com as coisas de Deus, antes que com nossos interesses pessoais. Quando atingimos o ponto em que ficamos tão preocupados com os outros como conosco, então a oração pelos outros se torna tão natural como a oração por nós mesmos. Naturalmente, a oração inclui a exposição de nossas necessidades diante de Deus. Paulo orava continuamente em seu próprio favor, sua missão e suas comunidades, embora soubesse que todas elas estavam nas mãos de Deus.

Quando continuamos a desenvolver e amadurecer nossa capacidade de orar, começamos a ver os muitos benefícios que advêm da oração. O mais óbvio é que estamos fazendo algo que Deus pede de nós. Isto representa, no mínimo, uma mudança de atitude e em nosso caráter. A nossa conversão depende da nossa intimidade com Deus. E o sentido de cada prece é esse: sede santos como o Pai é santo. Santificar-se e santificar.

Um pacto de oração
Nossa visão é de que nós podemos colocar isso em prática por meio da vida cristã em células de amor e comunhão. Nesse ambiente eclesial nós podemos assumir isso através de um pacto de oração, pois em uma célula na qual os membros oram uns pelos outros, o ambiente espiritual é completamente livre de amarguras e melindres. Se você é parte do corpo, você precisa ter o compromisso de orar pelos irmãos. Faça uma lista dos membros da sua célula ou do grupo ao qual você pertence, do seu oikós, dos seus alvos de evangelização e ore sinceramente para cada um dos nomes anotados ali. Isto, a propósito, é um exercício muito bom. A oração nos leva a interessar-nos pelo outro, a carregar com ele os seus fardos, caminhar ao lado dele. Isso é continuar no mundo o que Jesus fez no seu tempo.

Para refletir
1– Você ora diariamente pelos membros da sua célula?
2– Você tem um momento particular de oração?
Obs.: A oração é essencial para que a célula seja visitada por Deus.

Declaração
O pacto da oração (II Tessalonicenses 1-11,12)
"Eu faço um pacto de orar regularmente por vocês, pois creio que é isto que o nosso amado Pai deseja: que oremos uns pelos outros para que todos sejam supridos em suas necessidades. Não serei um ouvinte passivo, mas sim, escolho ser um participante espiritual. Participarei ativamente de quaisquer circunstâncias pelas quais vocês estejam passando, ajudando a cada um a levar o seu fardo".


Voltar