Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

O Reino de Deus e a missão dos cristãos  (Ez 34,11-17)

Queridos irmãos e irmãs em Cristo,

Com a celebração da festa de Cristo Rei encerramos o longo caminho iniciado no Advento do ano passado. Em breve começaremos um novo ano de celebração do mistério de Cristo.

Não é fácil entender a realeza de Cristo com os olhos deste mundo. Esta festa é uma maneira solene de celebrar aquilo que foi o sonho de Jesus de Nazaré, o Reino de Deus. Ele constituiu o centro de sua pregação. Reino de Deus ou Reino dos céus é expressão que não ocorre no Antigo Testamento. É típica do Novo Testamento onde aparece mais de cem vezes, quase sempre na boca do próprio Jesus. O Reino de Deus é a realização da vontade de Deus, o mundo novo onde reina a justiça o amor e a paz, a verdade e a vida, a santidade e a graça.

1. A nossa missão: A vinda desse Reino constituiu o início da pregação de Jesus: “Cumpriu-se o tempo, o Reino de Deus está próximo”. Ele já está presente entre nós, mas ainda não se completou. Seus sinais  já são visíveis. Ele já acontece nas pessoas, na prática do amor e da santidade, sobretudo pelo amor  e serviço aos pobres e aos excluídos.

O Reino já está acontecendo no mundo lá onde as pessoas vivem segundo os valores de Cristo: na família, no trabalho e na vida da sociedade. Por isso a construção do Reino é obra, sobretudo, dos cristãos e cristãs leigos - essa é sua vocação específica. Ela se realiza na medida  em que os cristãos, cristãs e todas as pessoas de boa vontade mudam seu modo de viver, seus valores, atendendo ao apelo do Senhor: “Convertei-vos, o Reino, chegou”. Esse é o grande Evangelho, a grande Boa Nova. A Igreja existe não para  tirar as pessoas do mundo e reuni-las dentro de si. A Igreja existe para enviar as pessoas ao mundo para evangelizá-lo, anunciar e construir o Reino de Deus.

A celebração de Cristo Rei encerra o ano litúrgico conscientizando-nos que terminou um período da construção do Reino (o que já construímos no ano que passou) e começou outra etapa (o que ainda não realizamos com a graça de Deus, o que continua esperando por nós). A celebração de Cristo Rei é assim a celebração da grande esperança, feita das esperanças do dia a dia.

2. Caminhando na esperança: A  prece  eucarística expressa isso de maneira bela e profunda. Depois de proclamar mais de uma vez “Caminhamos na estrada de Jesus”, conclui com um ano de fé e esperança “A nós que agora estamos reunidos dai força para construirmos juntos o Vosso Reino que  também é nosso”.

A possibilidade de alcançar o Reino de Deus foi estabelecida por Jesus Cristo, ao nos deixar o Espírito Santo que nos concede as graças necessárias para obter a Santidade e transformar o mundo no amor. Essa é a missão que lhe deixou Jesus à Igreja ao estabelecer seu Reino.

3. O modelo do Reino: no texto de Ezequiel, vemos o modelo do Reino de Jesus no paralelo que se traça com o modo como o pastor cuida do seu rebanho. Os poderosos deste mundo querem mandar e serem servidos, mas Jesus é aquele que serve, o pastor que procura a ovelha dispersa, que a conduz à sua própria terra, cuida dela, deixa-a descansar, alimenta, cura a que está machucada, fortalece a enfraquecida... Todas ações que requerem proximidade... por isso o Papa nos fala que o pastor adquire o “cheiro da ovelha”.

Numa época em que o virtual se sobrepõe ao real, é preciso questionar uma certa caridade “à distância”, sem encontro frente a frente, sem compromisso pessoal, sem gestos de proximidade! Uma caridade reduzida a filantropia ou a beneficência social poderá revelar o encontro com Cristo no outro?! Nestes tempos difíceis, voltar às obras de misericórdia (aquilo sobre o qual o Evangelho deste domingo nos falava) significa apreender a caridade, como arte do encontro, como arte da relação, como arte de viver, mas significa, sobretudo, novo impulso de humanidade, para não permitir que o cinismo, a barbárie e a indiferença levem a melhor! No final da vida, o decisivo não é afinal a fé, nem a religião, nem a boa intenção. No final da vida, seremos julgados, diante do grande amor divino, seremos julgados pelo simples e verdadeiro amor humano!

PARA REFLETIR:

1- Que passos efetivos nossa célula deu neste ano que revelem sinais da presença do Reino de Deus?

2- O modelo de reinado que Jesus viveu é o modelo que norteia a sua missão?

3- Há algum apelo de mudança na sua vida a partir desta reflexão?

voltar