Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

Se não nascer do alto... (jo 3,1-12)

(O que este texto diz para nós?)

Queridos irmãos e irmãs,

Desde o início do seu ministério, Jesus se deparou com a hostilidade de muitos de seu povo que não estavam abertos à ação transformadora de Deus em suas vidas, pois reconhecer que Jesus é o Filho de Deus implica ter de se conformar com a Sua mensagem. Até hoje muitas pessoas se dizem “ateias” como forma de evitar se comprometer com o Deus Amor.

Nicodemos representa aqueles judeus que, embora desejosos de acolherem Jesus e sua mensagem, não o fazem abertamente, “por medo dos judeus” (Jo 20,19), exatamente como os discípulos após a morte de Jesus.

Durante todo o Evangelho, Nicodemos hesita em defender Jesus e a sua Boa-Nova, pois não quer se comprometer inteiramente com ela. Sua consciência o acusa. Quando os chefes dos sacerdotes e os fariseus mandaram prender Jesus, acusando-o, Nicodemos não tem coragem de por em risco sua posição de autoridade religiosa (Jo 7, 50-53). Nem por amor a Jesus... Falta-lhe a coragem para se tornar abertamente discípulo missionário de Jesus.

João faz questão de dizer que Nicodemos foi procurar Jesus “à noite”. Na linguagem simbólica de João, a noite é imagem das trevas, do mundo que não acolheu Jesus. E Jesus se mostra bastante severo com estas pessoas de fé morna. Chega a falar que não dá crédito a este tipo de fé, pois ele “bem sabia o que havia dentro do homem” (Jo 2,24-25)

Jesus diz a Nicodemos que ele precisa “nascer do alto” para ver o Reino de Deus (v.3). Na língua grega, a palavra “ánothen” tem dois significados: “do alto” e “de novo”. Se Nicodemos deseja realmente entrar no Reino de Deus, ele terá de deixar o Espírito soprar na sua vida (v.8) e renascer com Jesus pelo Batismo. Para Nicodemos, nascer “do alto”, “de novo” significa tornar-se discípulo de Jesus, ter a coragem de arriscar a vida por Jesus.

Nicodemos se vê dividido entre dois ambientes opostos. Por um lado, a pregação do novo rabino galileu o toca profundamente nas suas expectativas daquilo que a religião deve ser. Por outro lado, ele sabia que para seguir Jesus ele teria que abandonar o seu posto no sinédrio e no grupo tão seleto dos “judeus importantes”. Mais ainda, teria que se sujeitar à hostilidade aberta daqueles que o tinham antes por amigo. Tratava-se de um passo que, uma vez dado, não era possível voltar atrás. E como o jovem rico (Mt 19,16-26), Nicodemos volta as costas para Jesus, “pois possuía muitos bens”.

As perguntas que Nicodemos coloca servem para tornar patentes as imperfeições de seu modo de vida. Ele entende as respostas de Jesus de modo tão literal quanto a lei que pratica e não consegue sondar o mistério inerente à sua vivência religiosa. De fato, Jesus lhe diz que quem nasce do alto deixa o Espírito Santo “armar a sua tenda” (cf 1,14) em seu coração. Quem nasce do alto – da água e do Espírito – recebe o Batismo e o vive como missão, como consagração a Nosso Senhor

Quem vive assim não nasce apenas uma vez, mas renasce a cada dia, pois a vida com Jesus é uma perpétua novidade. “Eis que faço novas todas as coisas” (Ap 21,5). Quem acolhe Jesus se torna novo como uma criança, novo como o vinho bom, se torna discípulo novo, “cheio de graça e verdade” (1,14)

PARA REFLETIR:

    Como Nicodemos, hás situações em sua vida em que você se sente dividido entre o mundo e Jesus?

    O que o diálogo de Jesus com Nicodemos desperta em você?