Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

O que pedimos na oração (Mc 10,35-40)

Caros irmãos e irmãs,

No evangelho deste domingo nos deparamos com os  dois discípulos íntimos de Jesus que lhe fazem uma pergunta estranha: "Mestre, faça que nos sentemos um à tua direita e outro à tua esquerda, na tua glória".
Jesus questiona o pedido de Tiago e João que estão impregnados pelos falsos conceitos de grandeza da época. Os demais Apóstolos reagem indignados, pois todos eles tinham as mesmas pretensões.
- A resposta de Jesus foi taxativa: "Não sabeis o que pedis…"

Você já orou sincera e fervorosamente por alguma coisa que você nunca recebeu? Talvez você tenha orado firmemente por um filho sadio e seu bebê nasceu com problemas sérios. Ou você orou pela vida de um ente querido, mas essa pessoa morreu. Talvez você tenha orado pela possibilidade de um certo trabalho dar certo, e não deu. Por que o Senhor não responde? Consideraremos algumas razões:

Porque há problemas com a oração
Deus não responde a todas as orações. Observe: "Eis que a mão do Senhor não está encolhida, para que não possa salvar; nem surdo o seu ouvido, para não poder ouvir. Mas as vossas iniqüidades fazem separação entre vós e o vosso Deus; e os vossos pecados encobrem o seu rosto de vós, para que vos não ouça" (Is 59,1-2). As Escrituras são unânimes em ensinar que a vida desobediente de uma pessoa impedirá Deus de responder as suas orações.

Deus também não dá ouvidos a orações egoístas: "pedis e não recebeis, porque pedis mal, para esbanjardes em vossos prazeres" (Tg 4,3). E o Senhor não responde a orações por perdão quando a pessoa está se recusando a perdoar um outro: "se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas" (Mt 6,15).

Quando nossas orações não são respondidas, seria oportuno analisar se há algum problema conosco, com o nosso motivo ou com aquilo pelo que estamos orando.

Porque Deus não age conforme nosso cronograma

Algumas vezes parece como se Deus não estivesse respondendo a nossas orações por Ele não agir tão prontamente como tínhamos esperado. Ou somos nós que não percebemos a sua ação. Se as pessoas não vêem alguma resposta imediata, pensam que Deus está adormecido. José teve de sofrer por ser raptado e vendido e então esperar durante 13 anos de escravidão e prisão antes que Deus o libertasse. Mas ele mais tarde viu claramente que a mão de Deus estava em tudo o que  tinha ocorrido (Gn 45,5-8). Abraão esperou até ter 100 anos de idade para receber o filho que o Senhor lhe havia prometido. Deus não age apressadamente; age no tempo que Ele, em sua infinita sabedoria, determina que seja o melhor. Temos que esperar pacientemente e depositar toda a nossa esperança e confiança nele.

Porque não é a vontade de Deus

Jesus orou insistentemente no jardim para que a taça passasse dele, mas acrescentou: "contudo, não se faça a minha vontade, e sim a tua" (Lc 22,42). Às vezes, nossa idéia do que seria o melhor para nós difere profundamente do que o Senhor pensa que precisamos. Uma vez que o Senhor sabe o que é melhor, é uma bênção que ele aja de acordo com sua vontade, e não com a nossa. Os pais, às vezes, desapontam os filhos porque recusam fazer tudo o que eles querem. Na verdade eles mostram muito mais amor dizendo não do que permitindo que eles façam como querem e se machuquem ou sofram.

"Se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. E, se sabemos que ele nos ouve quanto ao que lhe pedimos, estamos certos de que obtemos os pedidos que lhe temos feito" (1 Jo 5,14-15). Por isso precisamos pedir sempre a assistência do Espírito Santo em nossas orações, para que possamos pedir aquilo que é da vontade de Deus.

Homens como Moisés, Davi e Paulo foram destacados servos do Senhor. Mas nem mesmo eles queriam sempre o que coincidia com Sua vontade. Nossa perspectiva é tão limitada e nossa sabedoria tão falha! Oremos sinceramente, mas então peçamos que a vontade do Senhor se sobreponha à nossa própria se houver qualquer contradição. Sobre o poder do Senhor para responder a nossa oração, seu amor por nós, e sua vontade de agir em nosso favor não pode haver dúvida. Mas não sabemos sempre como Ele escolherá responder.

PARA REFLETIR:

1- Sua oração é uma entrega sincera nas mãos do Senhor ou você não subjuga sua vontade à dele?
2- Partilhe uma experiência onde a “demora” de Deus serviu para a sua edificação e crescimento na fé.
3-Qual é a sua atitude quando a vontade de Deus aponta um caminho diferente do que você pensou?

Voltar