Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

A FAMÍLIA E O TRABALHO (Gn 1,26-31; 2,1-3)

Irmãos e irmãs em Cristo!

A semana da família, celebrada dentro do enfoque vocacional do mês de agosto, neste ano nos leva a refletir sobre o tema “A Família: o trabalho e a festa”. A família, através do trabalho e da festa ocupa o espaço social e vive o tempo humano, nos seus modos de viver os relacionamentos (a família), de habitar e cuidar do mundo (o trabalho) e de humanizar o tempo (a festa).

Em Nazaré, Jesus, a Palavra de Deus, assumiu a nossa humanidade e através dela experimentou as relações familiares, a amizade e os conflitos, a saúde e a enfermidade, a alegria e o sofrimento humano, e nesta realidade aprendeu a linguagem para o anúncio da Palavra de Deus. Nós crescemos também numa família humana, dentro de vínculos de acolhimento que nos fazem crescer e responder à vida e a Deus.

A dimensão do trabalho.

O primeiro dever que Deus confia ao ser humano, depois de tê-lo criado, é de trabalhar no seu jardim, um lugar maravilhoso, cultivando-o e guardando-o. Para este trabalho Deus infundiu na humanidade o “sopro” da vida, que a enriquece de criatividade e de força, de genialidade e de vigor, a fim de que cada um de nós seja capaz de colaborar para a obra da sua criação.

O trabalho não é uma punição divina, mas a possibilidade e a responsabilidade de realizar no mundo criado o desígnio de Deus Criador. Nesta luz, o trabalho é uma forma com que o homem vive a sua relação e a sua fidelidade a Deus. Porque o trabalho não é um objetivo, o fim da vida: ele conserva a sua justa medida de meio – a meta da vida é a comunhão e a corresponsabilidade do ser humano com o seu Criador.

O cansaço derivado do trabalho encontra sentido e alívio quando é assumido não para o enriquecimento egoísta pessoal, mas sim para compartilhar os recursos de vida na lógica cristã, dentro e fora da família, especialmente com os mais pobres.
Se o trabalho se tornasse uma finalidade, a idolatria do trabalho tomaria o lugar da colaboração exigida dos homens da parte de Deus. Deus não quer que o ser humano apenas trabalhe, mas que o faça cultivando e guardando a criação divina.

O perigo que o trabalho se torne um ídolo é válido também para a família que esquece de Deus, deixando-se absorver completamente pelas ocupações mundanas, na convicção de que nelas se encontra a satisfação de todos os seus desejos. Isto acontece quando o trabalho detêm a prioridade das relações familiares e quando a família busca apenas o lucro econômico e deposita sua felicidade unicamente no bem-estar material.

A busca do equilíbrio

O justo equilíbrio do trabalho exige que todos os membros da família tenham discernimento acerca das opções domésticas e profissionais: no trabalho doméstico, todos os membros da família são convidados a colaborar, e não somente as mulheres. Infelizmente, hoje, a ideologia do lucro e do consumo impedem muitos membros da família de buscarem, com sabedoria e harmonia, o equilíbrio entre trabalho e família, diminuindo o relacionamento familiar.

No que se refere aos filhos, às vezes os pais “pecam” ao evitar que os filhos enfrentem qualquer dificuldade, pois esta prática pode tornar os filhos incapazes de assumir num futuro próximo suas próprias responsabilidades. Aos pais e filhos deve-se sempre recordar que a família é a primeira escola de trabalho e gratuidade, onde se aprende a ser responsável por si mesmo e pelos outros.

Jesus continuamente nos convida a superar a visão egoísta dos vínculos familiares e sociais, a ampliar os afetos para além do círculo limitado da própria família, a fim de nos tornarmos fermento de justiça para a vida social. A família é o recurso precioso para o bem da humanidade. No entanto, pode acontecer que os laços familiares impeçam os nossos olhos de “enxergar para fora”. Isto acontece quando a família arrebata para si energias e recursos, fechando-se na lógica da vantagem familiar, que não deixa qualquer herança para o futuro da sociedade. Família, SIM, “familismo”, NÃO!

PARA REFLETIR:

1-Você entende o trabalho como participação na obra da criação, ou o vê apenas como o meio de ganhar o pão diário da família?

2-O trabalho dos membros da sua família lhes rouba todo o tempo de relacionamento ou a família consegue dar a ele a sua devida dimensão?

Voltar