Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

CHAMADOS A CONSTRUIR O REINO DE DEUS (Mc 1,14-15)

Caros irmãos e irmãs,
Anualmente vivenciamos em setembro o mês da Bíblia, ocasião privilegiada de nos familiarizarmos com as Sagradas Escrituras de forma que, pela ação do Espírito Santo, Jesus, a Palavra do Pai, possa habitar e viver em nós.

A igreja no Brasil escolheu para este ano o tema: discípulos missionários a partir do Evangelho de Marcos, que no seu início nos traz João Batista, aquele que deixa sua família e sua vida de privilégios na cidade para assumir todos os riscos da pobreza, austeridade e inseguranças no deserto, para preparar os caminhos do Messias. Havia uma inversão neste movimento: em lugar de todos irem ao templo, todos iam ao deserto. João exige que a população faça um movimento para fora. Era preciso sair do lugar viciado, contaminado e poluído pela corrupção e criminalidade, ir para o deserto para se encontrar com o “batizador”.

1.A MISSÃO DE JESUS
No primeiro momento, Jesus continua o anúncio de João, dizendo da necessidade de conversão. A seguir, ele apresenta o Reino de Deus como o convite a voltar-se para o alto e para o lado. O céu se abrirá quando o caminho para o outro estiver aberto e, para que isso aconteça, se faz necessário entender as duas exigências fundamentais: a conversão e a fé no Evangelho.

Jesus não apontava a conversão como uma exigência para entender a Nova Lei, a Nova Aliança. Jesus não fala tanto de ritos, de incenso, de sacrifícios, mas fala da cruz, da renúncia, do serviço ao próximo.  A conversão é uma exigência radical de encontro entre o conhecimento, a leitura e as transformações sociais. O tempo do Reino de Deus não é o futuro, o amanhã, mas o hoje, o agora.
O Reino não está longe, está perto.

2.CRER NO EVANGELHO

O verbo crer não é apenas acreditar, no sentido de conhecer ou saber. Ao pedir a conversão, Jesus pede a mudança, a transformação da mente e do coração. O Reino de Deus não exige mais sacrifícios de animais, mas quer o próprio sacrifício, a renúncia e a entrega.

Crer é reconhecer o Evangelho como verdadeiro e comprometer-se com ele em todas as circunstâncias. Durante seu ministério, Jesus fez muitas exigências. Transformou uma regra que ele aplicou para si em norma também para os seus seguidores: “O Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Mc 10,45).
Crer no Evangelho é apostar em Jesus de modo radical, como a adesão total feita por Simão e André, Tiago e João, que deixam as redes, o pai, a profissão, para seguir Jesus.

Devemos hoje avaliar o sentido real e concreto da vocação como mudança de lugar, atividades e parentes, mas também é preciso entender o sentido simbólico, mas não menos importante: deixar um tipo de vida, deixar complexos, abandonar defeitos e apegos que atrapalham a nova vida. Crer no Evangelho é perceber nele sinais de mudança, de cura (1,40), de perdão (2,5), de proposta de vida nova, como na vocação de Levi (2,13-17), em novos paradigmas de salvação e vida eterna.

3.A REALIDADE: É óbvio que não vivemos numa pátria de convertidos. Contra os fatos não há o que discutir. Olhando ao nosso redor, observando as reações das pessoas, as escolhas que a sociedade vem fazendo, as intrigas culturais, religiosas, familiares, políticas e etc, revelam que o Reino de Deus não é ainda uma realidade. O apelo de Jesus ‘convertei-vos e crede no evangelho’ não é só atual, mas necessário para que nos ajudemos e nos salvemos juntos.

A dificuldade de seguir Jesus não é somente deixar tudo, mas é assumir o caminho da cruz: “Tome a sua cruz e siga-me” (8,34b). Tomar a cruz é estar disposto para a morte, a morte do “eu”, para que em nós viva Jesus. E isto só é possível quando há liberdade interior e total entrega ao discipulado.

Que a Palavra de Deus encarnada se faça viva em nossa vida!

PARA REFLETIR:

1- Conversão é mudança de religião? O que é converter-se dentro da própria religião?
2-Quais as rupturas que hoje nós precisamos fazer para seguir Jesus decididamente? O que ainda precisamos “deixar para trás”?
3- O que a nossa célula poderia fazer para conhecer melhor a palavra de Deus neste mês?

Voltar