Estudo Semanal
Home - Vida Cristã - Consciência Cristã

A PÁSCOA DE CADA SEMANA (At 5,12-16)

Caros irmãos e irmãs,

O cristão começa a semana com o domingo e não na segunda-feira. Pois, como diz o próprio nome, a segunda-feira é o segundo dia da semana. O primeiro dia da semana é o domingo, o dia de Jesus e de Deus, dia do Senhor. Lembra o primeiro dia da criação, quando Deus criou a luz. A ressurreição de Jesus é novo primeiro dia da criação, nova luz que surge sobre o mundo. E cada domingo é, para o cristão, a comemoração dessa luz pascal e dessa nova criação. Nós mesmos somos criaturas novas, chamadas à vida na luz – a luz de Cristo morto e ressuscitado.

O domingo é páscoa semanal, dia da comunidade, lembrete da nova criação que nós somos em Cristo, não só pessoalmente, mas como comunidade chamada a dar um novo tom ao mundo. A COMUNIDADE CRISTÃ é um lugar privilegiado de "encontro" com Jesus Ressuscitado.

Os habitantes de Jerusalém perceberam essa novidade. Muitos aderiram à comunidade e todo o povo a elogiava. Também hoje, o mundo deve perceber essa novidade no novo rumo que os cristãos imprimem à história, transformando-a de história de opressão em história de libertação. O domingo, com seu descanso físico, sua alegria espiritual e sua comunhão na celebração, deve alimentar em nós esta existência pascal nova e transformadora.

A VIDA DA COMUNIDADE DE JERUSALÉM CONTINUA A MISSÃO DE JESUS:
- Era uma comunidade viva: "Todos os fiéis se reuniam, com muita união"
- Eram pessoas estimadas: "O Povo estimava-os muito"
- Exercia forte atração sobre todos: "Crescia sempre mais o número dos que aderiam ao Senhor pela fé"
O que atraía? Os gestos concretos:  O Ressuscitado não podia mais ser visto pessoalmente,   mas havia algo que podia ser visto: a COMUNIDADE,   que, através de sua vida, dá testemunho de que Cristo está vivo. A comunidade cristã deve ser SINAL VISÍVEL de Cristo ressuscitado.

As leituras dos Atos dos Apóstolos manifestam esta novidade na atuação da primeira comunidade cristã, gerando admiração por causa de sua união e dos sinais que a acompanham. O novo povo de Deus cresce ligeiro.

A renovação pascal não é apenas uma revigoração interior, nem apenas um retomar de algumas boas práticas e um provisório desistir de alguns vícios. Temos de compor uma peça nova, tendo uma estrutura nova. Construir o mundo novo!

A primeira comunidade cristã, insegura e frágil, dominada pelo medo, se estrutura ao redor de Cristo e dele recebe a vida que a anima e que lhe permite enfrentar as dificuldades e as perseguições. Por isso, os cristãos nada terão a temer. (Ap 1,17). Na vida da comunidade, encontramos as provas de que Jesus está vivo.

A COMUNIDADE REVELA O RESSUSCITADO

Hoje também, é no "encontro" com o amor fraterno, com o perdão dos irmãos, com a Palavra proclamada, com o pão de Jesus partilhado, que se descobre Jesus ressuscitado. Não basta rezar em casa, assistir a missa pela TV. Em casa podemos fazer a experiência de Deus, mas não a do Ressuscitado, porque esse se faz presente onde a Comunidade está reunida...

Quem não encontrou o Ressuscitado na Comunidade precisa de "provas" para acreditar. Foi o que aconteceu com Tomé. Inicialmente exige provas, só acredita vendo. Não valoriza o testemunho da Comunidade. Não percebe os sinais de vida nova que nela se manifestam. Fora da comunidade, não encontra o Cristo ressuscitado. As dúvidas de Tomé expressam a experiência da Comunidade apostólica. Sua incredulidade evidencia o realismo da Ressurreição e nos convida a crer firmemente neste mistério, mesmo sem ter visto. Depois, voltando à comunidade, no "dia do Senhor", o encontra e faz uma linda profissão de fé: "Meu Senhor e meu Deus".

Nossa experiência como igreja em células, como comunidade realmente fraterna, deve ser sinal que conduza a Jesus de Nazaré, cuja ressurreição anunciamos!

PARA REFLETIR:

- O que significa para você a participação na comunidade no domingo?

- A participação na “comunidade” das células substitui a participação na grande comunidade no domingo?

- Quais sinais hoje expressam o Ressuscitado em nossa comunidade?