Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

Batizados e enviados  (At 1, 3-8)             
(O que nos diz o texto?)

Queridos irmãos e irmãs,

Entramos no mês de outubro, mês extraordinário missionário, animados pela mensagem do Papa Francisco destinada a fazer-nos a viver com intensidade a missionariedade que brota do nosso batismo. Vejamos o que ele nos diz:

A celebração deste mês irá ajudar-nos, em primeiro lugar, a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo. O ato pelo qual somos feitos filhos de Deus sempre é eclesial, nunca individual: de comunhão com Deus, Pai e Filho e Espírito Santo, nasce uma vida nova partilhada com muitos outros irmãos e irmãs. E nessa vida divina não é um produto para vender – não fazemos proselitismo - , mas uma riqueza para dar, comunicar, anunciar: eis o sentido da missão.

Recebemos gratuitamente este dom, e gratuitamente o partilhamos (cf. Mt 10,8), sem excluir ninguém. Deus quer que todos os homens sejam salvos, cheguem ao conhecimento da verdade e façam a experiência da sua misericórdia por meio da Igreja, sacramento universal da salvação. A Igreja está em missão no mundo: a fé em Jesus Cristo dá-nos a justa dimensão de todas as coisas e nos faz ver o mundo com os olhos e o coração de Deus. A esperança abre-nos aos horizontes eternos da vida divina, a qual verdadeiramente participamos. A caridade que antegozamos nos sacramentos e no amor fraterno impele-nos até aos confins da terra (cf. Miq 5,3; Mt 28,19; At 1,8; Rm 10,18).

Uma Igreja em saída até aos extremos confins requer constante e permanente conversão missionária. Quantos santos, quantas mulheres e homens de fé testemunham e mostram ser possível e praticável ter essa abertura ilimitada, essa saída misericordiosa ditada pelo impulso urgente do amor e da lógica de dom, sacrifício e gratuidade que lhe é própria (cf. 2 Cor 5,14-21)!

Eu sou sempre uma missão; tu és sempre uma missão; cada batizada e batizado é uma missão. Quem ama põe-se em movimento, sente-se impelido para fora de si mesmo: é atraído e atrai; dá-se ao outro e tece relações que geram vida. Para o amor de Deus, ninguém é inútil nem insignificante. Cada um de nós é uma missão no mundo, porque fruto do amor de Deus. Ainda que meu pai e minha mãe traíssem o amor com mentira, ódio e infidelidade, Deus nunca Se subtrai ao dom da vida e, desde sempre, deu como destino, a cada um dos seus filhos, a própria vida divina e eterna (cf. Ef 1,3-6)

A Igreja continua necessitando de homens e mulheres que, em virtude do seu Batismo, respondam generosamente à chamada para sair da sua própria casa, de sua família, da sua pátria, da sua própria língua, da sua igreja local. São enviados aos gentios, ao mundo ainda não transfigurado pelos sacramentos de Jesus Cristo e da sua Igreja Santa. Anunciam a Palavra de Deus, testemunham o Evangelho e celebram a vida do Espírito, chamam à conversão, batizam e oferecem a salvação cristã.

PARA REFLETIR:

    1- Dom, sacrifício e gratuidade são exigências próprias da missão. As células realizadas na Igreja em setembro te ajudaram a ampliar sua visão? De que forma?

    2- “Sereis minhas testemunhas até os confins da terra” (At 1,8). Diante dessas palavras de Jesus, qual é o compromisso que vamos assumir como célula neste mês?