Estudo Semanal
Home - Evangelização em Células - Estudo Semanal

ACLAMANDO O FILHO DE DEUS (Mt 21,1-11)

INTRODUÇÃO:
Depois da caminhada da quaresma, aproximamo-nos da Semana Santa, que é momento de aprofundar as dimensões mais importantes da nossa fé. É ocasião privilegiada para a renovação de um compromisso com a vida e com Jesus, que é a Fonte da vida, e Aquele que superou a morte.
Na sociedade atual a Semana Santa vem perdendo o clima religioso popular, quando muitos são os que aproveitam os “feriados” para viajar, deixando de viver a espiritualidade forte deste tempo. Porém, sobrevivem manifestações de devoção centralizada na Paixão de Cristo, venerado como o "homem das dores", o nazareno sofredor e moribundo. Com Ele se vive a sua agonia enquanto povo de oprimidos e deserdados. O símbolo popular mais forte e comovedor da Semana Santa é a CRUZ. Eis a mística da CRUZ:  "Em tudo somos oprimidos, mas não sucumbimos. Somos perseguidos, mas não ficamos desamparados”. (2Cor 4,8-9). Mas isto porque, após celebrarmos a morte de Jesus, temos diante de nós a certeza da sua ressurreição. Sem ela nada teria sentido.
O Domingo da ressurreição é, portanto,  a festa de maior importância na Semana Santa, ainda que a devoção popular se concentre mais na Sexta-feira Santa

1. O PROJETO DE JESUS: No domingo de ramos e da paixão do Senhor revivemos a entrada de Jesus em Jerusalém para celebrar a sua Páscoa. Unidos aos seus sentimentos, mergulhamos no seu projeto de obediência ao Pai e de serviço à humanidade. Lembrando Jesus reafirmamos nossa obediência e assumimos a solidariedade com os excluídos e marginalizados. A entrada triunfal em Jerusalém é o convite para que as nossas células entrem hoje nas casas, nas cidades e proclamem o Projeto da vida. Em procissão, aclamando que Ele vem em nome de Deus, somos chamados a aderir ao seu projeto e abraçar a sua atitude de servidor fiel até a extrema entrega na cruz.

2. MEMÓRIA DE JESUS NO HOJE DA HISTÓRIA
Eram muitas as pessoas que exultavam à volta de Jesus, que montado num jumento entrava em Jerusalém. Alguns fariseus gostariam que Jesus os fizesse calar, mas Ele respondeu-lhes que se eles se calassem, gritariam as pedras (Lc 19,39-40). Mas esse mesmo povo que aclamava Jesus neste momento, acabou por renegá-lo diante de Pilatos que perguntava a quem deveria soltar...
Mas a fé em Cristo não é previsível. O mistério pascal, que reviveremos é sempre atual. Nós somos hoje os contemporâneos do Senhor e, como o povo de Jerusalém, como os discípulos e as mulheres, somos chamados a decidir entre estar com Ele, fugir, ou permanecer simples espectadores da sua morte.
A narração da Paixão põe em relevo a fidelidade de Cristo, em contraste com a infidelidade humana. No momento da prova, enquanto todos, também os discípulos e até Pedro, abandonam Jesus (Mt 26,56), Ele permanece fiel, disposto a derramar o sangue para cumprir plenamente a missão que o Pai lhe confiou. Permanece Maria ao seu lado, silenciosa e sofredora.

3. APRENDAMOS DE JESUS E DA SUA E NOSSA MÃE: A verdadeira força do homem vê-se na fidelidade com que ele é capaz de dar testemunho da verdade, resistindo a ameaças, a incompreensões e chantagens, e até à perseguição dura e desumana. Só se estivermos dispostos a esta fidelidade nos tornamos o que Jesus espera de nós, isto é, "sal da terra" e "luz do mundo" (Mt 5,13-14). Se ele amou-nos até o fim, Ela (Maria) foi fiel, presente e forte até o fim.
Aquele que escolhemos como Mestre não é um comerciante de ilusões, não é um poderoso deste mundo, nem um astuto e hábil pensador. Nós sabemos quem escolhemos seguir:  é o Crucificado ressuscitado! Cristo morto por nós, Cristo ressuscitado por nós.
Cabe-nos anunciá-lo a tantos que não o descobriram. De fato, mais ninguém a não ser Ele, pode nos dar aquele amor, aquela paz e aquela vida eterna pela qual o nosso coração aspira profundamente. Bem-aventurados seremos nós, irmãos, se formos fiéis  discípulos  de Cristo! Bem-aventurados seremos nós se em nossos ambientes e em todas as ocasiões, estivermos dispostos a testemunhar que este homem é verdadeiramente Filho de Deus! (Mt 27,54).

PARA REFLETIR:
1-Qual é para você a celebração mais marcante da Semana Santa? Por que?
2-Sua célula reflete somente a exaltação do povo a Jesus em Jerusalém ou consegue, de fato, continuar seguindo-o no caminho da cruz?
3- O que a cruz significa para você?

Voltar